10 de set de 2010

Novo Cavalos

Cabrones! Percebi que apesar de não publicar mais aqui, novas pessoas estão "seguindo" o Cavalos. Desativei este blog, tornando-o uma espécie de arquivo. Então, para quem desejar continuar acompanhando o Cavalos, os novos posts são publicados neste endereço:
http://wiskowcontos.blogspot.com/

Gracias, amigos!

13 de ago de 2010

Não sei o motivo

Mas fiz. Minha namorada me mostrou. Sempre elas, as mulheres acreditando em nós, pobres homens. Não sou um cara dado a participar de concursos, nem jogar na loteria, nada. Não acredito que possa ganhar alguma coisa, mas de quando em quando me meto em algo. Na verdade eu gostaria de ganhar 40 milhões na Mega Sena.  Buenas, então tá! Se você desejar votar no Cavalos, tem o link ao lado. Concorro na categoria Arte e Cultura. Arte? Cultura?
Vote:  http://www.blogbooks.com.br/

E você sabe... Eu poderia estar roubando!

25 de jun de 2010

Novo Cavalos

Cabrones! Percebi que apesar de não publicar mais aqui, novas pessoas estão "seguindo" o Cavalos. Desativei este blog, tornando-o uma espécie de arquivo.

Os novos posts do Cavalos, agora são publicados neste endereço:
http://wiskowcontos.blogspot.com/


Gracias, amigos!

2 de jun de 2010

Sem tempo. Mais desenhos no meu blogue de cartuns e afins... Herói

31 de mai de 2010

Cidade Fantasma


Manhã.
miss Goldfinger
Um pouco depois da madrugada gélida. Assim mesmo, nua. É louca e tenho medo dela. Não confio. Tem sonhos estranhos, gosta de armas. Sei que tem uma. Como sei? Essa manhã descobri, ao vê-la ali, em pé, em minha frente. E, claro, apontava a arma pra mim. Enquanto isto cantarolava Goldfinger, tema do filme 007. Então riu, brincou que disparava e continuava com aquilo ali. Depois disse que gostaria de assaltar um banco, depois que gostaria de atirar num homem. Depois me ameaçou, dizendo que não a enganasse nunca. Pedi para que ela largasse aquela merda. Ela sorriu. Então gritei, com medo. Ela olhou séria e voltou a sorrir. Depois pediu desculpa, depois disse que não a enganasse. Disse que amava os filmes de James Bond. Que amanva 007 contra Goldfinger. Eu sorri, peguei o cigarro, tentei parecer com ele, o cara. O tal Bond. E passei achamá-la de miss Goldfinger.

28 de mai de 2010

Cidade Fantasma

MULHER GIGANTE ENTRA NA SALA


Maiko observa por alguns minutos Tóquio lá embaixo. Olha em direção ao horizonte e espera novamente que algum monstro gigante surja por entre os aranha-céu. Ele não vem. Ela suspira e entra na sala-de bate-papo. Uma sala do Brasil. Algum brasileiro estará on line e disposto a conversar com uma garota que deseja que um montro surja e destrua Tóquio? Ela pensa e sorri com seu pensamento.

Mulher Gigante entra na sala.

É uma noite ruim e Maiko está sem paciência.

Mulher Gigante sai da sala. A Mulher Gigante se desfaz.

Maiko vai dormir e sonha com monstros.

25 de mai de 2010

Herói

Diseños nuevos y viejos también.

Sobre escrever, baforadas e coisas...

Recebi o link para ler esse texto da escritora Márcia Denser. Na verdade recebi um trecho do texto, li e depois fui lá no Portal Cronópios ler o restante. Vai lá que vale.

"Assim como ele, me sinto tão longe e absurdamente tão próxima do mundo, dos outros, da vida, do ano de 2010, dum bar na Vila Madalena onde alguém senta ao meu lado e pergunta se estou escrevendo um novo livro e nesse caso porque à mão? Coisa mais antiga, compra um laptop, fone de ouvido, aí sim você fica muito mais out and nowhere (sic), mas não devia fumar, aliás aqui é proibido, saca, é proibido em todo lugar, se liga, apaga isso, não dá mole pro segurança, pede um suco de acerola, tigela de açaí, taí o convite do lançamento do meu novo livro, vai ser na Fenac, das 19h às 21h, vão ter umas leituras, conto contigo, convida aí teu amigo, coquetel, claro, chás e sucos bem natureba, e vê se não atrasa porque fecha.

Ficamos olhando ele ir embora com aquelas roupinhas, aquele topete eriçado bico de pato de quem acabou de abrir uma franquia do FransCafé no Iraque, eu e meu amigo cartunista, ficamos só olhando, assim, sem palavras.
Nós, os últimos dragões".
Por Márcia Denser

24 de mai de 2010

Cidade Fantasma

Noite. Verão.

Vermelho. Tinha sempre um sofá vermelho. O sofá vermelho. Seu sofá vermelho. Retorcia-se, alongava-se. Esperava, esticada, encolhida. O sofá fazia-se cama, casa, refúgio, horas. Desgraçado. Pensava. Não há mais horas. Há ele entre as ruas, entre elas, entre as portas de bares que convidam. Mais um pouco. Agonia. Quente entre as pernas, coxas. Tudo arde aqui dentro. O vermelho do sofá, as coisas aqui dentro.

23 de mai de 2010

Mudança

Cabrones, estou selecionando alguns contos e colocando neste endereço: http://umpoucomaisaosul.blogspot.com/
Nele também pretendo colocar (quando escrever) alguns novos micro-contos.
Gracias

Boxer

.

22 de mai de 2010

Do Allan

"...sabia que tinha alguma coisa fora do lugar em mim. Eu era uma soma de todos os erros: bebia, era preguiçoso, não tinha um deus, idéias, ideais, nem me preocupava com política. Eu estava ancorado no nada, uma espécie de não-ser. E aceitava isso. Eu estava longe de ser uma pessoa interessante. Não queria ser uma pessoa interessante, dava muito trabalho. Eu queria mesmo um espaço sossegado e obscuro pra viver a minha solidão. Por outro lado, de porre, eu abria o berreiro, pirava, queria tudo e não conseguia nada. Um tipo de comportamento não se casava com o outro. Pouco me importava."




"Esses tempos estava passando uma temporada nas trevas e uma querida amiga me mandou esse trecho do Bukowski.
Preciso reler com urgência tudo dele. Seus livros sempre foram um oráculo.
O engraçado é que eu vejo uma geração toda de escritores merdas que devem para o Tio Buk até as calcinhas que a mamãe lava e se acham muuuuito cools para citá-lo entre as referências. Esse pessoal tem mais é que trocar figurinhas do álbum da Copa e ser atropelados por um caminhão de lixo. Deus me ouça." Allan.


Essa eu peguei do blog do Allan Sieber, cartunista que acho bom, muito bom. No estilo que ele usa, a ironia, talvez seja o melhor no Brasil, mas claro, nunca se sabe. Sempre pode existir gente por aí totalmente desconhecida. Com talento igual ou maior. Publico o post aqui simplesmente pela citação do velho Buk, pra mim, o mestre. O cara que mais de deu prazer em ler. e provavelmente o escritor que fez com que eu decidisse começar a escrever. Foi assim, de um dia para o outro. Acordei e pensei, vou escrever histórias. Talvez esse seja um dos motivos que eu nunca me vi como escritor. Não acredito que a pessoa simplesmente acorde e decida. Serei escritor. Tá certo que eu já desenhava, fazia alguma Hq, o que não deixa de ter uma ligação.
Ah, eu tenho o álbum da Copa, mas me falta grana para compras as figurinhas.

20 de mai de 2010

Cidade Fantasma

Marja.
Estranha. Gosta de olhar-se no espelho.

19 de mai de 2010

Minimundo

Era a noite mais quente dos últimos quinze anos. Manuela tinha a sensação de estar dentro de um forno de microondas. Sentia-se desconfortável e angustiada com todo aquele calor. Faltava-lhe o ar e suas axilas grudavam, as virilhas estavam irritadas e avermelhadas. Tinha trinta e sete anos e uma vida de solidão. Às vezes conseguia um homem e dividia com ele a cama por um, dois dias. O último bateu um recorde, ou ela bateu. Ficaram juntos por três meses. Manuela não sabia qual era o seu problema. Manuela sempre pensou que havia um problema, lembranças de sua tia Rita que não hesitava em chamá-la de solteirona frustrada. E claro, Manuela era frustrada. Sem homem. Uma mulher sem homem só pode ser uma mulher frustrada. Todos pensavam assim, mesmo as que nada diziam. Ela mesma concordava em silêncio. Suas amigas tinham sempre algum homem e por mais cafajeste que fossem, elas tinham um.
 Minimundo. De repente Manuela sentiu-se presa, como se tivesse ficando louca e desesperada. Era o Minimundo. O SEU Minimundo. E ainda havia o calor infernal que inundava a cidade e o seu apartamento. Manuela descobriu-se mais solitária do que nunca, talvez por causa da onda de calor que assolava Porto Alegre. “Uma besteira o nome da cidade”, pensava Manuela. Nunca fora alegre ali, e quando passava pelo cais do porto sentia vontade de embarcar num daqueles navios e sumir daquele lugar, daquela cidade. A primeira vez que sentiu essa vontade foi a alguns anos atrás, quando observou através da janela do metrô um velho cargueiro ancorado no cais. Manuela não embarcou no cargueiro, voltou para casa e preparou um pacote de Miojo para mais uma noite jantar sozinha.
Foi o imenso calor que fazia naquela noite que lhe mostrou o seu Minimundo. Manuela sufocava e impaciente zanzava dentro do apartamento como uma barata que fora esmagada e sobrevivera. Acendia um cigarro após o outro e suspirava alto. O suor escoria das axilas e a ensopava. Sem saber o motivo, Manuela sentiu uma grande vontade de colocar o seu velho vestido cor-de-rosa que a muitos anos estava esquecido no roupeiro. Uma vontade absurda que tomava conta de Manuela como se fosse um espírito invasor que apoderava-se do seu corpo sem que ela pudesse resistir. O seu corpo pedia, sua carne pedia e desejava ardentemente o vestido. Manuela suando, quase desesperada, flutuando naquela massa quente de ar que assolava a cidade, deu uma última tragada no cigarro e esmagou-o no cinzeiro que transbordava de baganas. As pontas dos seus dedos ficaram sujas com cinza. Manuela não percebeu e ansiosa, já desesperada, saiu correndo em direção ao quarto com os braços levantados e a blusa presa ao pescoço enquanto tentava livrar-se dela estabanadamente. Parecia que sua blusa estava em chamas, queimava-lhe o corpo. Manuela entrou no quarto e livrando-se da blusa verde jogou-a no chão. Num movimento rápido, brusco e nervoso, Manuela levou as mãos a calça e para tirá-la do corpo. Na tentativa de ver-se livre da calça Manuela desequilibrou-se e tombou ao chão. Foi como se ela tivesse levado um choque, como se tivessem enfiado-lhe fios elétricos nas partes íntimas. Mas Manuela não perdeu os sentidos, ao contrário, o tombo lhe trouxe lucidez e calma.
A onda de calor que se abatera sufocava a cidade, Manuela sentada sobre o piso morno do quarto observava calada a calça arriada até o meio de suas coxas. Estava exausta, procurava um pouco de ar para respirar no mormaço do seu quarto. Manuela tombou a cabeça entre seus joelhos suados num ato de desistência, como se entregasse seu espírito depois de uma longa e árdua batalha com um inimigo superior. Estava cansada. Descobrira o seu Minimundo naquela noite desumana, em meio a onda de calor que lhe cobria as virilhas com assaduras e fazia o suor escorrer de suas axilas. Manuela despiu-se. Lentamente retirou a calça como se tira-se uma armadura incômoda. Trinta e sete anos. Estava cansada. O corpo brilhava com o suor que lhe molhavam as coxas, queimava por dentro e queimando andou em direção ao roupeiro. Nua e calma como um guerreiro samurai abriu as portas do móvel. Dançou os olhos no interior do roupeiro até encontrar o seu antigo vestido cor-de-rosa. Retirou-o calmamente e então vesti-o. Sentiu o tecido grudar-lhe na carne de sua bunda suada como um gesto obsceno. Deliciosamente obsceno e prosmíscuo. Trinta e sete anos escondendo-se da carne. Percebeu as primeiras rugas, depois vieram outras. O ventre encheu-se de chamas. Um demônio alojara-se ali com o calor. O vestido cor-de-rosa roçava suas grossas canelas. Manuela deitou-se na cama, abriu as pernas e enfiou a mão dentro do vestido por entre as coxas. Deixou o calor guiar sua mão e então sentiu o quentume úmido de sua xota entre seus dedos. Ficou ainda mais excitada e logo encharcou-se, massageou sua xota num desespero frenético e surpreendeu-se a si mesma quando começou a soltar urros e gemidos prazerosos. O lençol grudáva-lhe no corpo, retorcendo-se como se como se esticassem os nervos. Alguns minutos depois Manuela apagou. Caiu num sono profundo envolta na onda de calor.

17 de mai de 2010

Sharon Stone no chinelo

Depois de muito tempo ela reapareceu. Deu uma cruzada de pernas capaz de deixar Sharon Stone no chinelo. Eu estava fumando e meus pulmões tentavam sobreviver. Naquele momento não importava.
- Saudades? - ela perguntou enquanto eu mirava suas pernas e outras coisas.
- Como eu poderia não sentir?
- Hahaha. Você continua o mesmo!
- Ainda atrás de maridos cornos, mulheres traídas? Esses casos idiotas que você tenta desvendar?
- Continuo tentando parar.
- Um homem de cinqüenta anos deveria saber o que quer, Carlos. - disse ela, irônica, ácida, enquanto sacava um bom cigarro francês.
- Ainda fumando cigarros importados!
Ela sorriu e deu uma saborosa baforada. Aspirei a fumaça, era doce como ela.
- Você deveria escrever um livro, escrever e publicar.
- Escrever é para idiotas.
- Acho que você serve pra isso.
- Peguei meu mata-ratos e acendi. Traguei e expeli a fumaça com categoria.
- Parece. Você sabe tudo - respondi.
- Mulheres? - perguntou ela.
- Tenho uma garota. - eu disse.
- Hahahaha... Não há garota alguma. Eu saberia – ela replicou. Acho que faz séculos que uma mulher não baixa a calcinha para você. Ela estava certa.
Eu não me importava, não com ela ali na minha frente, com todo aquele corpo. As ancas gigantescas, coxas, os olhos brilhando.
- Os anos parecem não ter efeitos sobre você. Está linda, e se me permite, muito gostosa.
Ela sorriu satisfeita.
- Hahaha, você continua querendo me levar para a cama, Carlos.
- E quem não quer?
 Ela sorriu, descruzou as pernas e eu fiquei meio tonto.
- Tenho que ir.
- Sei.
- Eu eu apareço.
Acendi outro cigarro. Fiquei observando ela partir. O jogo de quadril, a bunda, parecia estar caminhando sobre o mar. Suave, imponente. Então ela bateu a porta atrás de si e sumiu.

16 de mai de 2010

Herói

15 de mai de 2010

Cidade Fantasma

Vestia-se de fantasma.
Catarina. Misturava-se entre as brumas do amanhecer presa ao quarto.
Apartamento 106

STRANGE TALES - Grampá

Rafael Grampá foi chamado pela Marvel para desenhar e escrever uma história do herói casca-dura, Wolverine. Na verdade ele pode escolher o herói que desejasse entre todo gigantesco universo Marvel. É pouco, cabrón?! Sou fã do Grampá, ou do traço dele, apesar desse oba-ba em torno do cara depois que ele estourou. Buenas, sucesso tem disso. Foda. Voltando... Ele vai desenhar para um edição da Strange Tales, uma jogada bacana onde desenhistas, autores mais alternativos dão novas roupagens aos heróis. Versões mais pessoais. Vou juntar os níqueis para comprar a revista quando sair, não só por causa Wolverine do Grampá (que deve ficar massa), mas por toda turma que vai estar nessa STRANGE TALES.
Acima,  Wolverine do Grampá, logo após heróis Marvel desenhados por outros artistas.

Mulheres Gigantes

Cidade Fantasma.
14:30 - Tarde.

13 de mai de 2010

Adeus, Bogotá!

Pablo, Juan, Estevan? Não sei. Ainda penso em perguntar-lhe o nome. Parece um desses caras, um narcotráficante latino. Entra e sai. Vi algumas mulheres. Muitas. Porta entre aberta. Nuas, todas elas no meio da sala. Sobre o tapete com figuras de onças, tigres, e se não me engano, um leão. Passavam das duas da madrugada, eu chegava em meu apartamento e atravessava o corredor fantasmagórico do prédio. Somos vizinhos. Olhe só. Eu fodido, vizinho dele. Descobri o nome de uma das mulheres. Celina. descobri que ele tinha um harém, todas aquelas mulheres, nuas na sua sala. Não sei como ele as mantinhas. Vi a cena. Elas lá. Quero ser amigo deste cara.Segui para meu apartamento, entrei, fechei a porta atrás de mim. Elas continuavam lá, Celina e todas as outras rodeando aquele cara Kitsch.

11 de mai de 2010

Ovos de Touro

Download para meu ebook de contos, Ovos de Touro. A capa é horrível. Eu nem sabia que ele estava disponível no 4shared. Então resolvi colocar o link aí, caso alguém queria baixar para ler.

10 de mai de 2010

Jesse James

Era uma espécie de Jesse James. O cara explicou todos detalhes da arma, peça por peça. Disse que no centro da cidade havia um banco e que seria moleza. Ali o movimento ajudaria. Os camelôs e a gritaria abafariam a confusão e ajudaria na fuga. Tinha também uma mulher vestida com uma roupa colante, de cor amarela. Disse que ela amava Porto Alegre e que gostaria de conhecer um cara daqui. Bom, quer encarar? - perguntou ele. O tal Jesse James.


Antes que eu respondesse entrou ela na lancheria. Sorria. Aproximou-se e sentou.

- É essa a mulher que falei.

- Oi - disse ela com aquele tipo de sorriso que fode você.

- Oi.

Ela usava a roupa colante e amarela. Marcava o corpo esguiu.

- Ele vai? - ela perguntou.

- E aí, você vai? - perguntou Jesse abocanhando um xis salada.

- Claro - respondi.

9 de mai de 2010

Homem de Ferro 2

Pois bem, quero assistir Homem de Ferro 2. Isto pode depor contra mim. Foda-se. Um bom filme para diversão, assistir tranquilamente e esquecer os problemas. Explosões, raios, um homem com uma armadura que risca o céu voando. Quer mais? Mulher, entre elas Scarlett Johansson. Bah, Scarlett...
O doente Mickey Rourke também está no filme, e claro, é um vilão. Nada melhor. Gosto do seu trabalho, o verdadeiro Outside. Robert Downey Jr., convenceu no papel, acho que acertaram em escolher o cara para dar vida ao herói dos quadrinhos.  Homem de Ferro sempre foi um dos meus super-herói favoritos. Ao ver algumas cenas do herói voando sobre a cidade, lembrei-me dos velhos heróis japoneses que eu assitia na adolescência. Os bons e velhos Ultraman, Spectreman, Vingadores do Espaço, Robô Gigante e Ultraseven. Porra, que saudade destas séries.

6 de mai de 2010

Querida

Ah, fazia tempo que eu não escrevia assim...
Assim como, benzinho...?
Assim...
Eu gosto de você!
Sei disso, querida.
Olhe, eu poderia escrever uma pulp fiction.
EU não sei, amor. Não sei. Você acha que poderia?
Talvez, nenem.
Vamos beber um vinho. Sobrou meia garrafa.
Tudo bem queria. Esta noite, você manda.
Fazia tempo que eu queria voltar a escrever assim, querida.

5 de mai de 2010

Assassinos S.A



Buenas, cheguei em casa depois do trabalho. Podre, cansado, e para minha supresa tinha um pacote me esperando. Era meu exemplar do livro Assassinos S.A, no qual participei com algumas singelas ilustrações. Ficou massa a ilustração de capa criada por Mario Cau. Vai para o arquivo do Sr. Wiskow.

Assassinos SA - Volume 2
Contos policiais ilustrados. Vários autores. Org. Jana Lauxen e Frodo Oliveira. R$28 (frete incluso). Ed. Multifoco, 2010. Compre o seu exemplar através do e-mail assassinos.anthology@editoramultifoco.com.br ou com um dos autores.

Contos policiais ilustrados. Vários autores. Org. Jana Lauxen e Frodo Oliveira. R$28 (frete incluso). Ed. Multifoco, 2010. Compre o seu exemplar através do e-mail assassinos.anthology@editoramultifoco.com.br ou com um dos autores.

4 de mai de 2010

Feliz aniversário... Senhor...

Dia 9 de maio, domingo, faço 39 anos. Trinta e nove, e nada. E você percebe que é um verdadeiro fracasso. As coisas não estão boas, mas acredito em dias melhores. Bem melhores. Taí então, uma imagem bonita, Velhão.

Arthur Rimbaud

Diálogo entre Rimbaud e Verlaine no filme Eclipse de uma Paixão

"Rimbaud: Não escrevo mais


Verlaine: Por quê?

Rimbaud: Porque nada mais tenho a dizer, se é que já tive algo a dizer.

Verlaine: Bobagem!

Rimbaud: Pensava que minha escrita seria importante, mudaria o mundo. Pensei que nada seria o mesmo, mas não adiantou. O mundo é velho demais. Não há nada de novo, tudo já foi dito!

Verlaine: Não do seu jeito!"

Sim

Confeso. Não tenho vergonha na cara. Essa carinha maltratada, calejada. Não escrevo mais porra alguma. E não escrevendo fico republicando textos antigos. Bem, muitos não leram.
Faz tempo, estou num limbo. Não sinto vontade de escrever, necessidade, e as idéias se foram. A "literatura" parece nada. Uma brincadeira de criança na qual só quero brincar quando estou bem.

Claudia Cardinale

Um pouco de Claudia Cardinale. Isso era tudo. Gabriel quebrou tudo em sua volta e saiu correndo. Deixou Luana na noite suarenta que se transformou-se em tempestade. Luana ainda tentou-lhe lhe acertar com uma garrafa de vinho barato. A única que eles tinham em estoque entre baratas e sonhos mal resolvidos.
- Foda-se tudo. Foda-se você! - gritou Luana. Foda-se seus sonhos com essa tal Claudia Cardinale.
Gabriel quase chrou e segurou-se num ódio imenso. Pegou suas coisas com presa, jogou o que pode dentro de sua mala, junto o velho albúm com fotos de Claudia Cardinale. Com o corpo como se fosse explodir saiu porta afora como um urso furioso. Bateu a porta com toda a força que pode, e enquanto partia ainda ouviu.
- Você é um louco, um desgraçado, um lunático que sonha com uma mulher que não existe! Um homem que ama uma mulher fantasma!
Gabriel seguiu firme no meio da noite em busca de algum motel para dormir, e sonhar com Claudia Cardinale.

Corredor e baratas numa noite insone

Meia noite e exatos dois minutos. No Corredor pouco iluminado, apenas o escritor e uma barata que vaga parecendo não ter rumo. Ela encontra uma fenda entre a parede, um pequeno buraco ou passagem para o que pode ser sua moradia e entra. Desaparece. O escritor retira sua chave do bolso e assim que coloca-a na fechadura encontra um bilhete enfiado embaixo da porta. Ele pega o bilhete e lê. "Gostaria muito de ter o prazer de conhecê-lo. Adoraria que você aceitasse tomar um café comigo. Com carinho, Sueli. Apartamento número 12". Com o bilhete na mão o escritor entra em seu apartamento e some. Desaparece. Fica imaginando quem seria a mulher do apartamento número doze.
Apartamento número 12. Meia noite e trinta minutos.
Sueli revira na cama, fuma e esquece as baratas.

Cidade Fantasma

Apartamento número 12
Uma voz sussura na porta ao lado. Algumas tímidas batidas como se tivesse medo de quebrar algo. Trago o cigarro mais uma vez e mantenho-me em silêncio antes de abrir a porta. Ela não deveria estar aqui, vir aqui. Eu disse pra ela. Logo reconheci a voz que sussurava, mesmo antes eu sabia que era ela, que só poderia ser ela. Eu tinha-lhe dito que não era para ela vir ao Motel.

Márcia e Ângela

Na cozinha:
Márcia e Ângela preparam o jantar.
Márcia com a faca na mão pega um vistoso tomate.
- Gostaria de fazer isso com ele.
- O quê?- pergunta Ângela abrindo um pacote de espaguete.
- Cortá-lo assim. Ao meio, depois assim, em cubinhos, em pedacinhos e então jogá-lo numa panela e vê-lo fritar.
Ângela com expressão de espanto no rosto:
Ué, tu não amava ele?
Márcia dando um vigoroso corte no tomate:
Por isso mesmo.

3 de mai de 2010

Mulheres Gigantes

2 de mai de 2010

Capa

ebook Mostruário do Absurdo Fantástico

1 de mai de 2010

Velma lê...

29 de abr de 2010

28 de abr de 2010

Manoel Bandeira

Vou-me Embora pra Pasárgada

Vou-me embora pra Pasárgada
Lá sou amigo do rei
Lá tenho a mulher que eu quero
Na cama que escolherei

Vou-me embora pra Pasárgada
Vou-me embora pra Pasárgada
Aqui eu não sou feliz
Lá a existência é uma aventura
De tal modo inconseqüente
Que Joana a Louca de Espanha
Rainha e falsa demente
Vem a ser contraparente
Da nora que nunca tive

E como farei ginástica
Andarei de bicicleta
Montarei em burro brabo
Subirei no pau-de-sebo
Tomarei banhos de mar!
E quando estiver cansado
Deito na beira do rio
Mando chamar a mãe-d'água
Pra me contar as histórias
Que no tempo de eu menino
Rosa vinha me contar
Vou-me embora pra Pasárgada

Em Pasárgada tem tudo
É outra civilização
Tem um processo seguro
De impedir a concepção
Tem telefone automático
Tem alcalóide à vontade
Tem prostitutas bonitas
Para a gente namorar

E quando eu estiver mais triste
Mas triste de não ter jeito
Quando de noite me der
Vontade de me matar
— Lá sou amigo do rei —
Terei a mulher que eu quero
Na cama que escolherei
Vou-me embora pra Pasárgada.

Ebook

Cabrones, estou preparando meu novo ebook. Mostruário do Absurdo Fantástico. Logo disponibilizo ele no Cavalos. Grátis, barbada!

27 de abr de 2010

Cidade Fantasma

Joana sonha em tardes abafadas.

O Prazer da Baforada


Estou pensando em para de fumar. É um inferno. Sinto falta, muita falta e vontade de fumar. É um prazer, uma forma de relaxar. Acostumei com o cigarro, para relaxar, pensar, ansiedade, depois do café, do almoço, da janta, quando bebo, e claro, depois de sexo. Se eu soubesse desenhar faria uma série de tiras, cartuns sobre isso. Minha luta inglória contra o cigarro.

Robert Crumb


Não posso deixar de comentar, o Mestre Robert Crumb estará na  Festa Literária Internacional de Paraty deste ano. Foda. Eu me ajoelharia diante dele e diria, “Mestre, Mestre!” É estar diante de uma lenda, não sou de pagar de tiete, mas esse é o cara. Bah, o cara vai enloquecer com as bundudas brasileiras.

26 de abr de 2010

Raiz Online

Mais um continho meu publicado no site Raiz Online http://www.raizonline.com/trintaedois.htm

25 de abr de 2010

Silvia bucea en el tanque

"El vientre de Silvia aún quemaba, sin saber ella el motivo. Prendía fuego. Sobre las barracas del pueblo el sol ardía sin piedad, con una violencia jamás vista anteriormente. El día continuaba extremamente luminoso, con los rayos del sol reflejándose en todo. Algunos tejados de zinc resplandecían y exhalaban un calor terrible. Silvia sentía como si fuera a morir. No aguantaría la ola de calor, parecía insoportable." (W.)

22 de abr de 2010

Uma pequena história

No quarto ao lado havia uma negra de cabelos vermelhos. Pernas fortes, torneadas. Certa manhã ela surgiu na porta, muito séria, usava um sapato de salto alto, preto. Brilhava. A negra, forte como um touro, músculos e fibras olhou-me com os olhos sonolentos. Estava enrolada numa toalha branca. Tinha bons peitos. Pensei em falar alguma coisa. Ela entrou sem dizer nada, antes mesmo de eu poder abrir a boca. Na mesma semana descobri que ela trabalhava numa boate na Avenida Farrapos. Nos encontramos por lá e não trocamos uma palavra, na noite seguinte voltamos a nos encontrar quando ela voltava da noite. Ela aproximou-se e pediu um cigarro, fumamos juntos e conversamos. Depois a convidei para entrar e beber um café. O dia começava a clarear em Porto Alegre.

20 de abr de 2010

Daniel na Cova dos Leões

Trecho da micro história Daniel na Cova dos Leões

Posche Carrera


(Primeiro dia)

James Dean

A primeira coisa que me chamou a atenção ao entrar no quarto dela foi um pôster gigante de James Dean na parede. Ficava na cabeceira de sua cama como a imagem de um Jesus Cristo. Ele lançava um olhar perdido, descansando um cigarro na ponta da boca, tinha um olhar que eu jamais faria igual, uma beleza que eu não tinha e um Posche Carrera que eu jamais teria. Tentei não me intimidar com a imagem e desviei o olhar para as dezenas de vinis na estante.

.

No espelho.
Seu velho fantasma
O quarto com luzes alaranjadas. Fantasmas
O cinzeiro cheio
As ruas cheias
A página vazia
As luzinhas piscando, piscando, acompanhando o som dos grilos lá fora numa noite norma e estrelada.

19 de abr de 2010

@

Cena de uma pequena HQ que terminei de fazer. Apenas duas páginas.

Quebra-Ossos


Em um pequeno hotel no centro da cidade.
O cara que está tentando derrubar a porta é Joe Quebra-Ossos.
Os apelidos dizem tudo. Sempre dizem.
BAM! BAAMM!!
Enquanto ele bate na porta procuro minha arma. A merda é que deixei-a em algum lugar e não consigo me lembrar onde.
A porta estala, sofre. Eu ouço os potentes pontapés explodirem. Quebra-Ossos deve estar furioso.
A Moça me ligou em tempo para me avisar que ele viria.
“Onde está minha arma?!”
A Moça possui uma voz linda e suave. Lembra um beijo na primavera.
BBAAAMMMM!!!
Aqui, encontrei! Tenho vonatde de beijá-la. E beijo.
BRUUUMMM!!!!
Quebra-Ossos explode através da porta como um tigre furioso.
Eu não gosto de sentir dor. E Quebra-Ossos adora causar dor.. Ossos quebrados, ligamentos sendo rompidos... Dor..., dor, dor...
Disparo em sua perna. Ele tomba e ruge. Eu aproveito e me mando.
Devo uma para a Moça.

18 de abr de 2010

.

Ah, isto deveria ser um local onde você encontraria meus textos. Insignificantes. Minha cara feia e batida. Minha não literatura, minha tentaviva. Um local onde encontraria tentativas de textos, de contos, de histórias para ler e passar o tempo sem procupação. A tentativa frustada de escrever, mas não escrevo. Taí, fotos da Nanda Costa que está na capa da Revista Trip. Na novela Viver a Vida ela tenta pegar o velhão Maradona. Literatura? Agora não.

17 de abr de 2010

Cidade Fantasma

Maria 10:20
Noite
As batidas do teu coração são tão silenciosas quanto os passos de um tigre
Encontrei Maria deitada, vestia apenas um corpete de couro e sapatos salto alto. Dormia entre suas fantasias. Era bela. Acendi um cigarro e fiquei observando seu belo corpo. Maria sonhava? - pensei com meus botões. Era um corpo que sonhava. Terminei o cigarro e me aproximei lentamente naquela noite fantasma.

Revista Coyote

Saiu a novo edição da Revista Coyote. Dossiê com o poeta e artista plástico Rodrigo de Haro, poemas do dramaturgo Mário Bortolotto, conto do poeta norte-americano Delmore Schwart, fotografias de Egberto Nogueira e relatos oníricos da portuguesa Anna Hatherly são destaques do novo número da revista COYOTE, lançada com duas capas diferentes.
COYOTE é editada pelos poetas Ademir Assunção, Marcos Losnak e Rodrigo Garcia Lopes. Projeto gráfico de Marcos Losnak. Distribuição nacional (em livrarias) pela Editora Iluminuras.


COYOTE 20 // 52 páginas // R$ 10,00

Uma publicação da Kan Editora. Vendas em livrarias de todo o país pela Editora Iluminuras – fone (11) 3031-6161 (site: www.iluminuras.com.br). Pode ser adquirida também na internet pelo Sebo do Bac: www.sebodobac.com

16 de abr de 2010

Mulheres Gigantes

Na Cidade Fantasma

14 de abr de 2010

.Chamado

O primeiro dia de primavera

Marcos serviu-se de mais um pouco de café. Estava calmo e sereno como um cão vira-latas tomando banho de sol numa manhã preguiçosa. Pela primeira vez em anos ele comia novamente ovos mexidos no café da manhã.
Marcos passou margarina no pão, depois deu uma dentada e bebeu um bom gole de café. No rádio o locutor anunciava um belo dia de céu limpo, sol e temperatura agradáveis. Ele sabia que era o primeiro dia de primavera. Era uma segunda-feira. Marcos olhou a passagem para o México e sorriu satisfeito. Ele tinha feito um bom serviço, mesmo sendo aquela sua primeira vez. O locutor continuou dando as notícias do dia e então Marcos se levantou e tirou da estação de rádio para colocar uma fita-cassete.
Ele gostava de ouvir Bach e naquela manhã ele achou-o especialmente fabuloso. Após terminar o café, Marcos fumou um cigarro, olhou através da janela e observou o dia iluminado lá fora. Uma grande e agradável sensação e bem-estar percorreu seu corpo. Marcos pegou a passagem sobre a mesa e entrou no quarto. Ele colocou algumas coisas numa velha mala, e antes de partir, deu uma última olhada na sua mulher morta sobre a cama.

E-book se torna nova opção para escritores publicarem suas obras

O ebook do meu amigo Wilame Prado em matéria do Diário de Maringa.
"Mais barato que o livro impresso e mais fácil de divulgar, livro digital tem atraído tanto autores novos e como veteranos"Confira no site:


13 de abr de 2010

Sssnnnffff!!!....

Entrou no bar.Caralho, disse um.
Foda, disse o outro. A mocinha sentada ao lado fez cara de nojo. Fumava. Ele. A fumaça. Idiota, ela pensou. Ele lançou fumaça. Tragou, aspirou e lanço-as como serpentes. Fantasmas que dançavam ao sairem de sua boca. Pediu cerveja.
Imbecil, pensou o cara sentado numa mesa próxima. Olhou atravesado.
Sssnnnffff!!!....
Fffuuuuuu...........
Era um Wolverine, como o cara do filme. O personagem dos quadrinhos. Outra mulher olhou com desdém, repulsa. Continuou fumando. Continuaram olhando.
Merda! ele rosnou, lançou um olhar de assassino e saiu.

Pobre Frank

Anticristo

É impressionante como algumas coisas ficam rondando nossa cabeça. Assisti ao denso e pesado filme Anticristo do cineasta dinamarquês Lars von Trier . Entre mutilações, cenas de sexo e violência) no filme todo você tem a impressão que está dentro de um pesadelo. Uma frase ficou rondando minha cabeça, quando a protagonista Charlotte desfere a seguinte frase como se revelasse um segredo depois de chorar “Uma mulher chorando é uma mulher tramando” . Claro, o filme não se resume a essa frase.Quem já assistiu algum dos filmes em que Lars usou algumas das “regras” do movimento cinematográfico que ajudou  criar, O Dogma 95, sabe. O filme é um soco no estômago.